Libia: LA POSICIÓN DEL ELN de Colombia

LA POSICIÓN DEL ELN de Colombia
*****************************************

En el Africa del norte, situada al frente de Europa en el Mediterraneo, la Jamahiria Arabe Popular y Socialista de Libia sufre luego de cuarenta años nuevas confrontaciones por el poder.

Muammar el Gadhafi, en 1969 había conducido una rapida insurrección que depuso a la Monarquía impuesta por acuerdos de la ONU, Gran Bretaña y Francia con el apoyo de los Estados Unidos, desde finales de la década de los 40.

Libia para 1969 ya era una de las principales productoras de petroleo liviano del mundo y bocado apetecido de las tranasnacionles petroleras

Las primeras medidas de ese gobierno que se llamó socialista y nasserista ( por el General egipcio nacionalista arabe Gamal Abdel Nasser), fueron eliminar las bases militares yanquis e inglesas y convertir el petróleo en un producto al servicio del pueblo y el desarrollo. En solo cinco años Libia quebró el hambre y la pobreza y se convirtió en uno de los paises del Africa con mejor nivel de vida. En estos momentos Libia es el pais con el más alto indice de desarrollo humano del continente africano.

A partir de ese momento la historia de las relaciones de Libia y los paises imperialistas hasta finales del siglo XX y principios de este, se pueden señalar como una de las más conflictivas en el area. Estados Unidos bombardeó Tripoli y Benghasi, tumbó aviones libios sobre el mar Mediterraneo, aupó la contrarrevolución interna y combatió a Libia en todos las ordenes.

Libia se convirtió en militante del ala antimperialista más radical. Fue solidaria con los movimientos de liberación de todo el mundo incluyendo los de Nuestra América y las luchas por la libertad de los pueblos de Africa y del Medio Oriente. Participó en el Movimiento de los No Alineados, en la creación de la Liga Arabe y en la potenciación de la Union Africana y de la OPEP.

Su participación abierta en las disputas internas de varios países africanos y arabes, su apoyo abierto a decenas de movimientos de liberación de todo el mundo y su abierta confrontación, la llevaron a serias contradicciones con los paises imperialistas -con los cuales no mantenía ninguna relación diplomatica- incluyendo un embargo del Consejo de Seguridad de la ONU por mas de diez años con graves consecuencias económicas y políticas.

Acercamiento a las potencias imperialistas

A finales del siglo XX y principios de este Muammar el Gadafi decidio recomponer sus relaciones con los paises imperialistas. Publicamente se dispuso para resarcir los daños a las personas y paises donde su acción militar hubiera hecho daño. Ciudadanos de Alemania, Estados Unidos, Inglaterra, entre otros, recibieron indemnizaciones millonarias. Este gesto abrió el camino al entendimiento con las potencias y conllevó un cambio en su politica exterior y de relacionamiento con el campo antimperialista.

Fue invitado incluso a una cita con el G-8, por su rango de presidente de la Liga Arabe. Hizo giras por toda Europa y fue visitado por los mandatarios de la mayoría de las potencia imperiales. Incluso en el 2009 firmó un convenio militar con Estados Unidos, con el Comando militar para el Africa AFRICOM.

Libia pais de tribus.

Dentro de las caracteristicas poco conocidas de Libia es la importancia tribal. Su desarrollo poíitico e histórico se fundamenta en la preservación de las fuerzas de las tribus que aun permanecen intactas en la vida política y económica. La estructura de poder construida por el régimen que dirige el Coronel Gadafi, fue muy cuidadosa en la repartición de los poderes y las posibilidades de desarrollo económico en las regiones para no agredir esta conformación, aunque propendía por un gobierno nacional.

Sin embargo parece que una de las causas que le dan combustible al alzamiento popular tiene que ver con desaveniencias vinculadas a diferencias mal tratadas con tribus poderosas. La bandera que levantan los rebeldes libios, paradojicamente, es la bandera de la monarquía que fue destrozada en 1969.

Libia pais musulman

La religión es otra fuente importante de unidad y cultura en Libia. La inmensa mayoría de los libios son musulmanes. Sin embargo dentro de esta doctrina, existen tendencias fundamentalistas que son profundamente reaccionarias y retardatarias. En Libia se presenta una fuerza que esta vinculada a los talibanes afganos y a las estructuras de Al Qaeda. Desde 1996 están activos en Libia y han ejecutado acciones militares inclusive contra el mismo Gadafi. Estas fuerzas propenden por un califato, que conllevaría un atraso profundo en el desarrollo alcanzado en el conjunto de la nación libia. Esta es otra variable importante de los alzamientos.

El alzamiento popular.

La crisis económica que golpea al mundo tambien ha golpeado a Libia. Los acuerdos económicos con las transnacionales y las potencias imperiales, conllevan acuerdos sobre reformas a las actividades económicas en el conjunto del sistema productivo. Acuerdos con el Banco Mundial y el FMI. Ha habido privatización, reducción del tamaño del Estado, recorte de algunos logros. El desempleo se ha disparado llegando a más del 25% de la población economicamente activa. La pobreza se multiplicó y se podría decir que la cuarta de la población es pobre. El malestar social se ha canalizado a partir de los levantamientos en Egipto y Tunez, paises con los cuales tiene extensas fronteras Libia.

El regimen de Libia se habia cerrado a la participación política de la población. Acciones contra los palestinos y los luchadores de Hamas, contra los migrantes africanos que tomaban a Libia como pais transito hacia Europa, el nepotismo y los manejos corruptos de personeros del regimen, tambien venia generando malestar en el pueblo libio.

Los acontecimientos en Libia avanzan cada segundo, se habla de represion indiscriminada y las confrontaciones armadas se dan en diferentes ciudades. Miles de noticias desfiguradas llegan. La fabrica de mentiras imperialista, por intermedio de sus agencias está en plena producción.

La intervencion imperialista

Los yanquis no tienen amigos sino intereses. En Libia las principales compañias petroleras yanquis han invertido ingentes cantidades de dinero en los ultimos 20 años. Al igual que italianas, alemanas, francesas, españolas e inglesas. Italia es el pricipal socio comercial y Alemania el segundo. Fidel ya dio la alerta de una invasion de la OTAN sobre Libia que esta en curso.

En 1806 (!!), Estados Unidos bombardeó Tripoli. Fue la primera accion armada fuera de su territorio. La disculpa fue la piratería que se desarrollaba desde este puerto mediterraneo. En 1986 bombardearon Tripoli y Bengashi. La propia casa de Gadafi fue bombardeada y su hija adoptiva murió.

Italia fue metropoli de Libia durante la primera mitad del siglo XX, hasta que en la Segunda Guerra Mundial los ingleses expulsan a los italianos y convierten a Libia en un protectorado.

El petroleo y el gas son el principal bocado para el capital internacional. Libia es el decimooctavo productor del mundo con más de millon y medio de barriles diarios. El 90% de este va para Europa. La OTAN ya da vueltas sobre Libia esperando el momento del zarpazo

Ninguna nación o estructura militar internacional tiene derecho a agredir o invadir a Libia. Ya Irak y Afganistan han demostrado hasta la saciedad las consecuencias de las intervenciones imperialistas.

El pueblo libio tiene el derecho a decidir sus propios asuntos. La rebelion popular en curso, producto de multiples variables y de imprevisibles consecuencias debe fluir. La voluntad soberana del pueblo, en la busqueda de su bienestar y libertad, de sus propias formas organizativas debe ser respetada. La autodeterminación del pueblo libio es sagrada.

Fuerzas Especiales de EEUU en Libia

Según diario pakistaní ya hay Fuerzas Especiales de EEUU en Libia
Por Paul Joseph Watson
****************************************************************************************

03/03/11


3 de marzo de 2011.-Las Fuerzas Especiales de EEUU han desembarcado en Libia para entrenar rebeldes anti-Gaddafi para un golpe de estado apoyado por occidente en las cercanías de la nación rica en petróleo, con “asesores de defensa" británicos y franceses también desembarcando para establecer bases de entrenamiento en la región oriental del país controlada por los rebeldes.

Según un informe del diario Pakistan Observer, centenares del personal de las fuerzas especiales de EEUU, Gran Bretaña y Francia llegaron el 23 y 24 de febrero en “buques de guerra estadounidenses y franceses y pequeños botes en los puertos libios de Benghazi y Tobruk".

El reporte afirma que el informe fue confirmado por un diplomático libio en la región, quien expresó que “los tres países occidentales han desembarcado sus tropas de fuerzas especiales en Cyrinacia y están ahora creando sus bases y centros de entrenamiento”, en un intento por reforzar a las fuerzas rebeldes que resisten a la milicia de Gaddafi en la región circundante.

“Las fuerzas occidentales están preparando establecer bases de entrenamiento para milicias locales formadas por fuerzas rebeldes para un control efectivo en la región rica en petróleo y contrarrestar cualquier presión de las fuerzas a favor de Gaddafi desde Trípoli”, indica el informe.

Además, los esfuerzos para “neutralizar” a la Fuerza Aérea libia están en camino en un intento de obstaculizar la capacidad de Gaddafi para gobernar desde Trípoli si él logra permanecer en el poder.

La naval de EEUU también confirmó que el portaaviones USS Enterprise, el cual previamente ha estado en el servicio de caza de piratas frente a las costas de Somalia, está ahora humeando hacia Libia mientras se elevan las tensiones.

La Secretaria de Estado Hillary Clinton admitió públicamente por primera vez el 28 de febrero que EEUU estaba preparando respaldar rebeldes antigobierno, a pesar de la advertencia de Hafiz Ghoga, el vocero del recién formado Concejo Nacional de Libia en la ciudad oriental de Benghazi controlada por los rebeldes, de que cualquier “intervención extranjera” no sería bienvenida.

“El resto de Libia será liberada por el pueblo... y las fuerzas de seguridad de Gaddafi serán eliminadas por el pueblo de Libia”, expresó Ghoga durante una conferencia de prensa.

Mientras tanto, el ex representante europeo para el Grupo Carlyle y ex primer ministro británico John Major se ha convertido en el último en añadir su voz en el creciente coro de aquellos que llaman a una intervención militar para derrocar a Gaddafi.

Major respaldó, “otros líderes occidentales que están al borde de ordenar acciones militares en contra de Muammar Gaddafi por temores de que el mandatario libio podría utilizar “armas químicas” en contra de su propio pueblo”, informa The Telegraph.

El actual Primer Ministro británico, David Cameron, también ha estado ocupado preparando el escenario para un golpe de estado respaldado por occidente, convocando una zona de exclusión aérea para ser erigida sobre el país.
“Si el Coronel Gaddafi utiliza la fuerza militar en contra de su propio pueblo, el mundo no puede mantenerse al margen. Ese es el por qué deberíamos estar buscando una zona de exclusión aérea’, dijo Cameron. El canciller ruso, Sergey Lavrov, criticó la idea de una zona de exclusión aérea como “superflua”, en vez de señalar apoyo hacia las sanciones respaldadas por la ONU.

El viernes, cuarenta neoconservadores de influencia firmaron una carta a Barack Obama exhortando al presidente a preparar “inmediatamente” una acción militar para derrocar a Gaddafi.

Cualquier cambio de régimen con la asistencia de naciones occidentales suministrará un acceso más profundo a un país que posee las más grandes reservas de petróleo en África y el décimo más grande en el mundo, con una reserva de producción de alrededor de 66 años.

FUENTE: Correo del Orinoco

Uma homenagem a Professora Marilena Ramos

Uma aula sobre nacionalismorevolucionário

Recebi do Beto Almeida sobre a Líbia ...

Prezados e prezadas, apenas contando algo: há alguns dias, após escrever o texto respondendo a agressão da Folha a Telesur, fui surpreendido por nota no Blog Gonzun, do Miguel do Rosário, em que afirmava "Telesur se desmoralizou ao fazer cobertura pró-Kadafi".

Preocupado com o equívoco, escrevi a ele solicitando que esclarecesse em que teria se baseado, em qual notícia, em qual editorial, em que imagem, para afirmar semelhante estapafúrdio. Ele disse que teria se baseado em mensagem do Rovai, que afirmava que Kadafi estava bombardeando seu próprio povo, que os níveis de vida e o IDH da Líbia, bem como os serviços públicos de saúde e educação gratuitos não tinham tanta importância pois era um país pequeno e muito rico em petróleo. A Arábia Saudita também é rica, nem porisso aplica sua renda petroleira na elevação do padrão de vida de seu povo. Ao contrário. É uma didtadura monárquica, carcomida, protegida pela mídia capitalista, inclusive a Folha. Lembrei ao Miguel o quanto de mentiras se estava utilizando contra a Líbia, entre elas a do "bombardeio do seu próprio povo", repetida por Hillary Clinton, por Obama, pelo Rovai, pela Fox News, pela TV Globo e pelo blog Gozun.....Miguel me aconselhou então ler o noticiário e a "não me deixar me levar pelo ódio à mídia". Percebi que por estes argumentos não era razoável insistir numa discussão política e apenas perguntei a ele se publicaria o meu artigo em resposta à agressão feita pela Folha de São Paulo a Telesur. Não publicou, não respondeu, não esclareceu. Hoje , a própria Folha publica declarações do Secretário de Defesa dos EYA, Robert Gates, concedidas à imprensa americana, onde ele afirma " Não ha confirmação de que tenham ocorrido bombardeios ordenados por Kadafi contra o seu povo". É o secretário de defesa dos EUA!!! Junte-se a isso uma nota da imprensa russa, na qual se informa que o Comando do Exército Russo, tendo monitorado incessantemente os satélites localizados naquela região da Líbia, afirmou que não houve nenhum bombardeio aéreo como os relatados pela mídia internacional, e, lamentavelmente, repetidos por Rovai e Miguel do Rosário. Mando-lhes a seguir as duas notas. Mas, uma delas está na Folha de hoje, na coluna "Toda Mídia", ao alto da página. A outra mando por internet.

Telesur está com duas equipes de reportagem na Líbia, uma em Trípoli e outra em Bengazhi. Tem retratado que há apoio a Kadafi, como também que existem ações militares de rebeldes, inclusive de um setor de oposição que apela a Otan para que lance bombardeios sobre a Líbia. Ouvimos os dois lados, documentamos tudo, estamos no terreno desde o início. Onde está a desmoralização da Telesur? Há blogueiros progressistas que se deixam influenciar pelo dilúvio de notícias mentirosas.......E não podem explicar em que se baseiam para suas afirmações. Mas, negam publicar o artigo que critica o comportamento da Folha de São Paulo, tal como a Folha, que também não publicou o meu artigo.

Beto

(Publicado em Patria Latina)

Líbia: teria faltado protagonismo ao Itamaraty?

A impressionante euforia de uma quase unânime campanha midiática atuando como os tambores de guerra, tendo como alvo a Líbia, já provocou seus estragos iniciais: uma diplomacia facciosa, agressiva e guerreira arrancou à força uma condenação do país africano, sem sequer uma investigação concreta. Para tal foram suficientes os relatos de uma mídia controlada pela indústria bélica. Agora, prepara-se o terreno para novos passos da máquina de guerra imperialista. O desejo de uma intervenção militar na Líbia é sonho antigo do Pentágono, nunca concretizado. Mas, agora, se de fato for lançada, pode ter como objetivo reprimir todos os povos árabes em rebelião com o intuito de assegurar a hegemonia dos interesses dos Eua na região, atualmente sob questionamento, seja pelas rebeliões populares, seja pela nova relação de forças em países como Irã, Turquia e Líbano.

Por tudo isto, é justo perguntar se não teria havido falta de protagonismo do Itamaraty na votação do caso Líbia na ONU? Será que todo o esforço do governo Lula em consolidar uma aliança Países Árabes e América do Sul não estaria sendo deixado um tanto de lado quando a representante do Brasil na ONU aparece posicionada ao lado de resoluções que podem facilitar a balcanização da Líbia, e, como conseqüência, trazer um grave retrocesso nas relações do Brasil com aquela região, como já se pode perceber na retirada parcial das empresas brasileiras do território líbio? Saem Queiroz Galvão, Odebrecht e Camargo Correia, e entra a Haliiburton? Seria este um dos resultados da intervenção pré-militar? Sem contar uma montanha de cadáveres....... O Artigo é de Beto Almeida.

Não foi simples para o Presidente Lula construir sua política externa. Os adversários se posicionaram prontamente, fora e dentro do território nacional. Aqui dentro toda a mídia que, naturalmente, sempre foi historicamente vassala editorial de idéias emanadas pelas grandes potências. Não há uma única mídia de grande alcance hoje no Brasil que sustente uma linha editorial contrária à manutenção do status de vulnerabilidade ideológica, política, tecnológica, econômica e até militar em que se encontra o Brasil desde o nefasto período dos privateiros. Nem mesmo a TV Brasil conseguiu fazer uma linha editorial diferenciada, com um mínimo de sintonia, sequer exploratória, com o que foi a política externa lulista.

Retórica itamarateca?

Entre os argumentos manipuladamente utilizados contra Lula repetia-se - sem diversidade informativa alguma, como se pede na Constituição - que tudo era apenas uma retórica itamarateca. Não é preciso muitas linhas para contestar este pseudo-argumento: basta que se verifiquem os volumes do comércio, dos acordos, e das relações entre o Brasil e os países do Oriente Médio antes e depois de Lula. Lembremo-nos: neste período foi realizada, sob oposição dos EUA, a primeira Cúpula América do Sul-Países Árabes na história.

Há uma forte simbologia quando grandes empresas brasileiras retiram seus funcionários em função do evidente agravamento da crise na Líbia e a ameaça não apenas de uma guerra civil, mas de uma intervenção bélica da Otan para, quem sabe, levar novamente ao poder remanescentes da monarquia Idris, desde que concordem, obviamente, em privatizar novamente o petróleo líbio hoje estatizado, entregando-o a empresas norte-americanas, como no Iraque e na Arábia Saudita hoje.

Paralisação produtiva

A Revolução Líbia colocou a receita do petróleo para a elevação do padrão de vida de seu povo, tanto é que pertence a este país o mais elevado IDH da África, um salário mínimo dos mais elevados de todo o terceiro mundo, superior ao brasileiro, uma renda per capta parecida à nossa, sem contar a oferta de serviços públicos e gratuitos de saúde e educação em razoável qualidade. A receita petroleira tem sido também utilizada para a contratação de empresas e tecnologia do exterior para a realização de obras de infra-estrutura de grande porte, entre elas gigantescos canais de irrigação para alavancar a produção agrícola num território que, em 90 por cento, é desértico. A ingerência já produziu uma paralisação produtiva no País.

A construção de uma política externa brasileira enfatizando a integração latino-americana, não apenas em discursos mas, concretamente, com obras unificadoras de infra-estrutura que já não podem mais ser negadas pelo dilúvio de mentiras midiáticas, tem seu desdobramento na formatação de uma relação mais cooperativa com o mundo árabe e também com o Irã. Além disso, a busca de uma diversificação de exportações e importações - o que nunca agradou aos EUA - desdobra-se coerentemente numa relação mais protagonista a partir da relação com os países do Brics, bem como no G-20. Imagine o tamanho da crise que o Brasil enfrentaria se tivesse permanecido submetido a uma relação prioritária com os EUA...

Esta nova maneira de estar presente no mundo levou o Brasil a pelo menos duas operações de alto esforço e coragem, qual sejam, a busca de uma saída negociada e pacífica para a crise a partir do prepotente veto imperial ao programa nuclear do Irã, e também, na questão de Honduras, quando o governo Lula assumiu com arrojo a defesa da democracia diante do golpe de estado contra Zelaya, sinalizando que ela, a democracia, não é um atributo que estaria fora da agenda da cooperação e integração latino-americana, bem como do princípio da autodeterminação dos povos, violentada nestas duas oportunidades pelos EUA.

Comissão Internacional para uma solução pacífica

Lamentavelmente, a proposta de formação de uma Comissão Internacional para solução pacífica da crise da Líbia não partiu do Brasil, como era justo esperar, mas da Venezuela. Aliás, quando da tentativa de golpe contra a Venezuela, teria partido exatamente do Brasil, sob o governo Lula, a idéia de criar o Grupo de Amigos da Venezuela, buscando assegurar uma mesa de negociações e desencorajar qualquer aventura intervencionista. Certamente, embora justa, a proposta agora capitaneada pela Venezuela, teria muitíssimo mais abrangência e força política se oriunda do Brasil, tal como o Brasil se empenhou no caso do Irã para convencer a ONU a não dobrar-se aos tambores de guerra. Estes, vale recordar, estão sempre prontos a repicar, especialmente diante da uma crise econômica que não foi vencida ainda pelos EUA, e que pode levar sua economia marcadamente dominada pela indústria bélica, a aproveitar a crise da Líbia para dinamizar a recuperação de sua crise interna, às custas de vidas e mais vidas, como se vê hoje no Iraque e no Afeganistão, sem qualquer vislumbre de solução no horizonte. Mas, para a indústria guerreira, a expansão das encomendas é a própria solução. Sobretudo, se a intervenção militar traz nova possibilidade de privatizar petróleo público, assegurando, sob a cobertura da ONU, uma rapina que não pode ser feita sem demolir as estruturas da Revolução Líbia e transformá-la num novo Kossovo, ou seja, em mais uma base militar dos EUA, como as mais de mil espalhadas pelo mundo hoje.

A política externa brasileira não pode estar associada a qualquer idéia que facilite a concretização deste plano sinistro! Seria sim um distanciamento ou falta de continuidade daquilo que foi construído pelo Itamaraty nos oito anos de Lula. E, para um país que pretende ter assento permanente no Conselho de Segurança da ONU, não é recomendável deixar de zelar pelo prestígio internacional alcançado pelo Brasil exatamente por sua política externa soberana, independente, criativa e vocacionada para promoção da solução pacífica dos conflitos.

Razões propagandísticas

O passivo endosso brasileiro na ONU a esta escalada de agressividade diplomática dos EUA baseada, por sua vez, num dilúvio de informações manipuladas e jamais comprovadas, nos faz lembrar a tragédia de uma guerra lançada contra o Iraque e seu povo com base na suposta “existência de armas químicas de destruição em massa naquele país”. A semelhança com as “razões propagandísticas” utilizadas por Hitler para expandir o seu exército pela Europa é robusta. Assim como o atentado ao World Trade Center, cuja versão oficial encontra crescente contestação pelos mais eminentes cientistas norte-americanos, atuou como “razão propagandística” a la Hitler para que Bush impusesse sua guerra ao terror, inclusive contra países que mal possuem sistema de água encanada, como o Afeganistão, acusado, paradoxalmente, de ter perpetrado tão sofisticada operação.

Com coragem, o Brasil se opôs oficialmente à ação militar no Iraque no início do governo Lula.. Seria de se esperar a continuidade desta acertada política externa quando agora, contra a Líbia, também se constroem versões - razões propagandísticas – para que aquele território seja ocupado pelos marines. Se manipulação grosseira das teses dos direitos humanos é o que baliza a autorização diplomática para tal monstruosidade militar, é de se esperar condenação a todos que estão hoje encharcando de sangue muçulmano o solo do oriente. A começar pelos EUA que já mataram mais de um milhão de civis no Iraque e , somente nesta semana, despejou bombardeios que causaram a morte de 65 civis no Afeganistão. Por que o Itamaraty não condena tal carnificina?

Caso a intervenção militar da OTAN venha de fato a concretizar-se, nossa política externa deveria ter exigentes motivos para preocupar-se, jamais para, de algum modo, ter colaborado direta ou indiretamente com mais uma guerra. Nem na Guerra das Malvinas o Brasil deixou de reivindicar uma solução negociada e pacífica, o que não impediu de oferecer algum tipo de apoio logístico aos argentinos, seja por meio de aviões, de informações etc. conforme comprovam documentos em posse do estado brasileiro.

Lições para o futuro

Possuidor do maior tesouro de biodiversidade (Amazônia), de riquezas minerais monumentais como urânio, titânio, silício etc e também das reservas petroleiras pré-sal, além de território farto em água, o Brasil tem razões para buscar construir uma política estratégica cuidadosa, sobretudo se e quando as potências imperiais dão passos mais largos e ameaçadores no tabuleiro do xadrez mundial. Qual será o próximo? Diante deste quadro fica evidente porque os EUA impõe vetos ao Programa Nuclear Brasileiro, como ao do Irã, e também ao nosso Programa Espacial, como revelaram os telegramas divulgados pelo Wikiliekes sobre a conduta do Embaixador norte-americano em Brasília a pressionar a Ucrânia para que não transfira tecnologia espacial ao Brasil. Os EUA, anos atrás, já havia pressionado Kadafi a abrir mão do Programa Nuclear líbio. Sem nada em troca, além de sanções, agressões, desestabilizações e bombardeios.

O que é difícil é entender por que o Brasil não faz agora um esforço prioritário para barrar mais uma guerra, associando-se a países que também podem formatar uma resistência internacional a mais esta aventura de uma economia imperial viciada em guerra e petróleo? Será delírio imaginar que no futuro não muito longe seja o Brasil o alvo de sanções simplesmente por dar continuidade ao seu programa nuclear? Vale lembrar que a energia nuclear só é considerada insegura e perigosa quando nas mãos de países como Irã ou Brasil, nunca sob o controle dos EUA, Inglaterra ou França.

Antes mesmo de qualquer investigação ou comprovação, a Líbia já foi penalizada com o congelamento de seus recursos financeiros depositados em bancos internacionais, o que, por outro lado, recomenda acelerar a concretização do lentíssimo projeto de construção do Banco do Sul, onde os recursos dos povos do sul poderiam estar depositados com segurança, não na insegurança dos bancos norte-americanos ou ingleses ou franceses, com um histórico de instabilidade e de fraudes recentes impressionantes.

Descontinuidade com o passado recente

A política externa formatada e aplicada por Lula, que a ela se empenhou pessoalmente em inúmeras viagens, alterou sobremaneira e positivamente a presença qualitativa do Brasil no mundo. Tal política requer consolidação, continuidade e aprofundamento, seja no plano da integração latino-americana, ou com a África, ou com os países árabes e do Oriente Médio, por onde encontram-se instaladas muitas empresas, equipamentos e pessoal brasileiros; como requer também não recuar da linha de diversificação sem se deixar prender por um ou outro grande país. No caso da Líbia, será constrangedor contabilizar o imenso prejuízo para a economia brasileira acarretado pela retirada de empresas e trabalhadores brasileiros. Especialmente se elas vierem a ser substituídas por empresas diretamente vinculadas à indústria bélica, como a Haliburton, já que guerra e petróleo, para os EUA, são atributos de uma mesma política. Mais constrangedor será reconhecer que a política externa brasileira não teria atuado com o protagonismo que poderia exercer e que projetou durante os 8 anos do governo Lula, deixando margem para uma constatação amarga: a de que o endosso passivo e sem questionamento a sanções arrancadas à base de dilúvios midiáticos manipulativos na ONU, teve também alguma participação do Itamaraty. Uma descontinuidade com o passado recente.

Beto Almeida, Jornalista 2, março,2011

O QUE A IMPRENSA NÃO DIZ (SOBRE A LÍBIA).

(Ernesto Germano) – 02/03/2011

Tenho acompanhado atentamente o noticiário sobre os acontecimentos na Líbia e, cada vez mais, impressiono-me com a capacidade da nossa imprensa “tão livre” para deturpar fatos, esconder dados e reproduzir apenas aquilo que os donos da informação desejam que seja divulgado.

Não há isenção ou mesmo equilíbrio nas matérias. A velha regra de “ouvir as duas partes” parece ter sido esquecida pelos nossos jornalistas.

Em alguns jornais de hoje (02/03), as notícias procuram mostrar o povo líbio como pobre e igualam as condições de vida às encontradas no Egito ou na Tunísia, países onde o povo foi para as ruas para derrubar o regime. Mas esta é uma comparação mentirosa!

A Líbia tem uma balança comercial superavitária, superando 27 bilhões de dólares por ano, e uma renda “per-capita” média da população equivalente a 12 mil dólares. Isto significa seis vezes a renda média do Egito, por exemplo!

O país tem 6,5 milhões de habitantes, com um padrão de vida elevado para a região. Comprova isto o fato de cerca de 1,5 milhão de imigrantes viverem na Líbia, onde encontram trabalho e salário digno.

Aliás, este é um ponto curioso para analisarmos. Nos jornais de ontem, principalmente no Globo, vimos uma manchete dizendo que “milhares de imigrantes fogem da Líbia”. Ora, a notícia até seria interessante, para quem não tem um dado comparativo. Mas, se “milhares” fogem do país, o que significa isto se lá residem quase dois milhões de imigrantes?

Ainda tratando da economia líbia, os nossos jornais (tão preocupados com os leitores e a qualidade da informação) esquecem de dizer que a Líbia é um país de economia aberta. A empresa petrolífera italiana ENI realiza cerca de 15% das suas vendas a partir da Líbia, mas não é a única. Lá também operam outras “gigantes” como a BP, a Royal Dutch Shell, a Total, a Basf, a Statoil, a Repsol e muitas outras. A Gazprom (russa) também opera no país, com centenas de trabalhadores, e a empresa de petróleo chinesa tem mais de 30 mil funcionários trabalhando lá!

É verdade que Muamar Kadhafi já abandonou suas posições que o tornaram conhecido pela resistência ao imperialismo. Em 1969, quando assumiu o poder, iniciou uma política independente e nacionalizou o petróleo. Depois da guerra entre árabes e israelenses, ele liderou um boicote entre os países exportadores de petróleo contra os países que haviam apoiado Israel.

Kadhafi modernizou seu país, criando universidades e novas indústrias, além de realizar um incrível projeto de irrigação fazendo surgir uma agricultura desenvolvida onde havia apenas areias do deserto.

Em 1986 Ronald Reagan mandou bombardear a capital líbia. Em 15 de abril de 1986, Trípoli foi bombardeada por 13 modernos aviões dos EUA. O bombardeio terminou com a morte de Hanna, filha de Gaddafi, de 1 ano e 3 meses, e com outros dois filhos feridos. Hoje, o local ainda exibe os danos do bombardeio e a estátua foi erguida para relembrar o episódio.

Depois da Segunda Guerra do Golfo, Kadhafi começou a mudar sua política. Privatizou dezenas de empresas, aceitou a “receita” do FMI e abriu as fronteiras para as grandes empresas multinacionais. Começou neste momento a queda do país e a corrupção se alastrou!

Mas é preciso deixar de lado as notícias falsas da nossa imprensa e fazer uma reflexão sobre os acontecimentos na Líbia. Comparar a crise atual e o movimento oposicionista com o que aconteceu no Egito ou na Tunísia é desconhecer a realidade.

O que sabemos de concreto é que a oposição líbia surgiu em uma região onde há uma resistência muito grande ao clã Kadhafi. Mais do que isto, a Cirenaica é também a região onde operam as principais empresas multinacionais e onde estão os terminais de oleodutos e gasodutos do país. Ou seja, uma região que foi escolhida “a dedo” para ser o berço da “oposição”.

E esta informação tem ainda mais valor se ligarmos ao fato de que a chamada “Frente Nacional de Salvação da Líbia” é uma entidade financiada pela CIA (basta conferir no site do Congresso dos EUA e constatar que está na “folha de pagamentos” da Central).

No dia 23 de fevereiro, o poderoso “Wall Street Journal” já tocava as trombetas da guerra ao estampar em suas matérias que “os EUA e a Europa deveriam ajudar os líbios a derrubar o regime de Kadhafi”. É preciso dizer mais?

Vou completar este texto com algumas informações que já passei em outras participações sobre o tema.

Por que os nossos jornais tão “independentes” pararam de falar de outras revoltas populares (Bahrein, Iêmen, Argélia, etc.) e só comentam o que acontece na Líbia? Qual o interesse dos EUA nesta mudança, a ponto de seu governo anunciar, oficialmente, que está deslocando suas forças militares para a região e a secretária de Estado não descartar uma intervenção?

As revoltas populares na Tunísia e no Egito, derrubando governantes “capachos” dos EUA, foram duras, mas o governo de Washington parece suportar e preparar uma "volta ao poder" por outros meios. Mas os dois países não afetavam o principal neste momento: a questão do petróleo!

A Tunísia nunca exportou petróleo e o Egito parou de exportar há alguns anos (seus poços “secaram”).

Aqui está a diferença, pois a Líbia exporta atualmente 1,6 milhão de barris por dia! E a “urgência” dos EUA para resolver a questão líbia é que as empresas petrolíferas que operam no país estão retirando seu pessoal técnico. Isto pode provocar uma nova crise de petróleo.

É verdade que os países europeus estocaram petróleo para o inverno. Mas... e se os estoques diminuírem? Lembrem-se que a Arábia Saudita também está passando por revoltas populares e em uma crise política séria.

Em julho de 2008, antes da crise se espalhar pelo mundo, o barril de petróleo chegou a valer pouco mais de 147 dólares! Se o petróleo voltar a subir, na atual crise financeira mundial, o que restará aos EUA.

Os EUA, com apenas 5% da população mundial, consomem 25% de todo o petróleo produzido no planeta e metade deste total é importado. As importações estadunidenses alcançam 11 milhões de barris diários, dos quais: 1,6 milhão do México; 2 milhões da Venezuela e o restante do mundo árabe. Pelo que, podemos ver, o país é fortemente dependente da importação do petróleo, seja lá de onde ele estiver, o que justifica as intervenções militares no Oriente Médio e em outras regiões do planeta. (Os dados são de 2008, quando escrevi um artigo sobre o tema, mas creio não estarem muito desatualizados)

Devemos assinalar que o dado mais importante, recentemente divulgado e confirmado pelas organizações internacionais que tratam do assunto, é que as reservas totais de petróleo do planeta chegam, atualmente, a 1 trilhão e 200 bilhões de barris. Ou seja, isto representa, neste momento, pouco mais da metade de todo o petróleo que a natureza produziu em milhões de anos e guardou no subsolo. E, obviamente, este petróleo vai se tornando cada vez mais caro, uma vez que as jazidas em locais de fácil exploração vão se esgotando. E, devemos ressaltar, os institutos e organismos internacionais mostram que 62% do petróleo que resta no planeta está no Oriente Médio.

Para encerrar, uma notícia do jornal Brasil Econômico:

“Estoques de petróleo dos EUA recuam em 400 mil barris! As reservas da commodity atingiram 346,4 milhões de barris. Já os estoques de gasolina caíram em 3,6 milhões de barris na mesma base de comparação, ficando em 234,7 milhões. A utilização da capacidade das refinarias recuou para 80,9% nesta semana, face aos 79,4% na semana anterior. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (2/3) pelo Departamento de Energia dos EUA (DOE, na sigla em inglês)”.

É, parece que Obama & Cia estão com urgência em resolver o problema de “direitos humanos” na Líbia!